segunda-feira, 17 de novembro de 2008

A Conexão Alumínio

Muita gente tem me consultado ultimamente, incomodadas com dificuldades de memória ; algumas têm conhecidos sofrendo de disfunções sociais graves devidas à perda de memória, ou do controle de movimentos.
Pesquisando e estudando o assinto à luz da nutrição, cheguei a algumas conclusões interessantes - e inesperadas : a perda de memória está relacionada com a perda de funcionamento dos neurônios ; esta, por sua vez, tem a ver com envenenamento por 'metal' - mais precisamente, por óxido metálico.
O espantoso é que o tal metal é o inocente alumínio - usado em utensílios de cozinha, pastas dentais, xampús, desodorantes e outros produtos cosméticos !

Vejam a seguir dois dos artigos sobre o assunto do envenenamento.



c:\dados\saúde\higienismo\doenças\memóri-perda.

COMO É QUE ERA MESMO AQUELE ASSUNTO ?
Um problema comum que costuma nos incomodar é a perda de memória.
Quantas vezes você já olhou para alguém e não foi capaz de lembrar do seu nome, ou tentou em vão conjeturar uma palavra específica, ou lembrar–se do título de um filme ?
Alguma vez você já saiu de viagem e teve uma sensação de pânico por não lembrar se o gás foi desligado ou se alguma janela ficou aberta ?
Para a maioria de nós, esse esquecimento representa somente uma pequena frustração, mas para algumas pessoas ele é extremamente sério.
Existem duas formas consideradas crônicas de perda de memória:
a] pré senil – essa ocorre antes dos sessenta anos; e
b] a chamada demência senil – que ocorre após a idade dos sessenta.
Em ambos os casos, quando a condição é aguda, elas deixam suas vítimas com pouca consciência a respeito de quem são, ou com uma má compreensão a respeito daquilo que os rodeia; em resumo, a pessoa não sabe direito quem é nem o que está se passando com ela.
Essas pessoas também podem ficar indiferentes com os outros à sua volta, e muitas vezes elas se tornam reprimidas e não esboçam nenhuma reação.
A partir da década de cinqüenta, pesquisas foram feitas para se compreender melhor as formas mais severas desta doença penosa.
Quando estamos falando de pesquisa, estamos nos referindo à área nutricional e neuro–química.
A partir de 1985, aminoácidos começaram a ser usados não somente para ajudar nos casos mais graves, mas também para resolver as formas mais amenas de perda de memória, que todos nós vivenciamos.
Essa pesquisa, na sua maior parte, foi conduzida na década de ’70 por Carl Pfeiffer, médico e PhD em neuro–química, responsável principal pelo BRAIN BIO CENTER [Centro Bio Cerebral], em Princeton, Nova Jérsei, nos Estados Unidos.
Ele descobriu que havia um fator comum para todos os pacientes senis – baixos níveis, tanto sangüíneos quanto cerebrais, de uma substância chamada “espermina”.
A espermina é um produto derivado do aminoácido arginina e é encontrado no sêmen, tecido sangüíneo [blood tissue], e células cerebrais.
Quando Pfeiffer examinou pessoas com boa memória, ele descobriu que seus níveis de espermina eram várias vezes mais altos que os daqueles que sofriam de senilidade.
Portanto, quando os níveis de espermina no seu corpo diminuírem, a sua memória se tornará falha.
É bastante complicado explicar a teoria da baixa taxa de espermina, que conduz assim a uma memória fraca.
Ela começa com a produção do ácido ribonucléico [RNA]; o corpo usa o RNA para duplicar segmentos de nossa 'impressão digital' celular – o DNA – sempre que o tecido precisa crescer ou ser reparado.
O DNA seleciona o número e toda uma escala de substâncias que serão necessárias para fabricar um segmento particular de tecido.
Além disso, o RNA também age nas células cerebrais como um importante arquivador de nossas memórias.
O RNA é feito por uma enzima que é chamada de RNA–POLIMERASE e essa enzima é ativada pela espermina.
Então, a insuficiência de espermina levará a uma deficiência de RNA cerebral, causando assim a


perda de memória; portanto, aumentando os níveis de espermina, aumentaremos a produção de RNA e isso ajudará a aprimorar a função da memória.
A espermina é produzida pela arginina por de um mecanismo metabólico complicado, envolvendo vários co–fatores; esses co–fatores, ou coadjuvantes, constituem uma série de nutrientes e todos eles têm que estar incluídos em qualquer formula de aprimoramento da memória.
Vamos dar agora uma rápida olhada nesse mecanismo metabólico, para ver como ele funciona.
Ele começa quando a arginina reage com uma enzima que é ativada por um mineral chamado de manganês, o que produzirá um outro aminoácido chamado de ornitina.
Depois, a ornitina reagirá com a vitamina B6 e se converterá em um produto chamado de putrescina.
Neste momento, um outro aminoácido chamado de metionina ativada [obtido da mistura de magnésio e metionina] converte a putrescina primeiro em espermidina, e logo a seguir finalmente em espermina.
Se você quiser ajudar esse mecanismo e dar a ele um impulso suave e por conseqüência melhorar sua memória, tente uma mistura dos seguintes nutrientes, tomada 2 vezes por dia entre as refeições:
AMINO ÁCIDOS
L–metionina .............
L–arginina ................
L–ornitina .................
CO–FATORES
Vit. B6 ......................
Vit. C ........................
Manganês [quelato] ..
Magnésio ..................
É importante ressaltar que o Dr. Carl Pfeiffer foi considerado um verdadeiro gênio; ele foi o pioneiro nas análises de cabelo, criou 50 tipos diferentes de testes de laboratório para se detectar alergias das mais diversas [testes esses que são imitados em todo o mundo], escreveu muitos livros importantes envolvendo a área nutricional e cerebral, se especializou em curar inúmeros casos de esquizofrênicos e outros desequilibrados mentais sem dar choques, sem dopa–los, sem amarrar o paciente numa clínica mantendo–os de pijama o dia inteiro.
Seus pacientes residiam em suas casas; sua clinica está em operação ainda hoje a pleno vapor e se dedica a pesquisas e exames sangüíneos laboratoriais, que no Brasil são completamente desconhecidos.
Pfeiffer descobriu que os nutrientes [vitaminas, sais minerais, aminoácidos, óleos graxos essenciais e enzimas] exercem a mesma função que os remédios, porém sem os efeitos colaterias.
Carl Pfeiffer foi um dos precursores da psiquiatria ortomolecular e é para esta área o que foi Einstein para a física.

PROBLEMAS DE MEMÓRIA.
A memória é tão natural quanto a função respiratória.
É uma habilidade que todos nós possuímos e no entanto na qual raramente pensamos, a não ser quando percebamos que estejamos de alguma forma perdendo esta habilidade.
Lapsos de memória representam por si mesmos uma perturbação, mas o pior é a ansiedade que os acompanha.
Começamos a nos questionar se esses lapsos são um sintoma de algum outro problema como uma depressão da meia idade, ou talvez uma arteriosclerose.
Provavelmente o maior medo provocado pelos lapsos de memória é o da doença de Alzheimer, uma doença progressiva e debilitante, que geralmente começa por volta dos 40 com pequenas falhas na memória e defeitos de comportamento.
Ainda que isso seja uma desordem bastante comum entre pessoas mais idosas, é importante ressaltar, quer a maioria cos casos desses lapsos não tem nada a ver com a doença de Alzheimer.
A população acredita que, na medida em que vai envelhecendo, a habilidade para lembrar das coisas vai se deteriorando.
Isso não é necessariamente verdadeiro.
O processo de envelhecimento por si só tem pouco a ver, ou talvez não tem nada a ver, com a nossa capacidade de guardar ou lembrar de informações.
Lapsos ocasionais de memória fazem parte de uma vida normal em qualquer idade, mas com nutrição adequada esta função deve permanecer afiada e ativa mesmo passados os 90 anos.
O corpo foi criado para funcionar perfeitamente, contanto que as condições sejam oferecidas a ele; uma das razões para que as pessoas sofram de perda de memória é a insuficiência de nutrientes no cérebro.
A vida do corpo está no sangue.
Ele literalmente abastece e nutre cada célula em nosso corpo.
O cérebro, por sua vez, está envolto por uma camada protetora, ou um invólucro protetor, conhecido como barreira sangüínea cerebral [blood–brain barrier] que permite somente a passagem de algumas substâncias da corrente sangüínea para dentro dele.
Se o sangue estiver grosso com colesterol e triglicérides, a quantidade de nutrientes importantes que devem chegar ao cérebro diminui com o tempo, e isso causará uma situação de desnutrição cerebral.
Além disso, o funcionamento do cérebro depende de substancias chamadas de neurotransmissores.
Essas são substancias químicas cerebrais que agem como interruptores elétricos dentro do cérebro e, através de toda rede do sistema nervoso central, tornam–se os responsáveis por todas as funções do corpo. Se o cérebro não dispuser de um suprimento adequado de neurotransmissores, ou de nutrientes para construi–los, ele começará a desenvolver uma situação equivalente à de uma “queda de força” elétrica ou de um curto–circuito.
Se a sua mente ‘dá um branco’ quando você está tentando se lembrar de algum fato específico, ou de um tipo de informação; ou se ao invés disso ela se conecta a uma outra informação irrelevante, que não tem nada a ver com a necessidade, é bem provável que nesse momento tenha ocorrido um curto–circuito.
Existem vários fatores envolvidos na deterioração da memória; um dos mais importantes é a exposição a radicais químicos que podem causar um dano enorme à nossa memória.
Deficiências nutricionais tais como de complexo B e de amino ácidos estão também na lista de razões para esse problema.
Alcoólatras e usuários de drogas costumam ter muitos “brancos” e perdas de memória, isso porque o álcool é um solvente e todas as drogas contêm solventes. OS SOLVENTES DESTROEM O CÉREBRO.
Esses brancos e perdas de memória acontecem mesmo quando os alcoólatras e usuários de drogas estão conscientes e sóbrios.
Alergias, estresse, fungos do tipo candidíase [existem 94 diferentes tipos de fungos que nos podem afetar], problemas de tireóide, e uma má circulação sangüínea cerebral, são outras causas que contribuem para esta condição.
A hipoglicemia [baixa taxa de açúcar no sangue] também pode produzir perdas de memória, porque para funcionar corretamente o cérebro requer um certo nível de glicose e, se este nível baixar mesmo que um pouco, ou seja, se o cérebro não receber o açúcar suficiente, já aparecerão problemas.
Grandes variações dos níveis de açúcar afetam as funções cerebrais, o humor e também a memória.
Um assunto muito pouco falado e que praticamente ainda representa um enorme tabu é o da prisão de ventre.
De modo geral, o ser humano esvazia o seu intestino somente uma vez ao dia e se dá por feliz e ainda acha que está ‘quites’ com o seu organismo. Só que a realidade é outra !
A refeição não deve ficar no corpo mais do que 18 horas.
Aqueles que eliminam somente uma vez por dia [isso quando eliminam], estão na verdade evacuando o que comeram há ± 4 dias atrás, ou seja, essas pessoas estão retendo no mínimo 10 refeições atrasadas.
Ao manter esses “bolos fecais” durante tanto tempo, dezenas de toxinas são geradas no interior do intestino grosso, inclusive solventes, que depois voltarão em parte para a corrente sangüínea.
É preciso lembrar que o nosso intestino é feito do tecido mais macio e delicado de todo o corpo; isso não significa uma doença ... só significa o quanto ele é permeável, mesmo em um nível de intestino grosso.
Portanto, o uso de frutas, saladas cruas, legumes feitos no vapor, cereais integrais [centeio, aveia, cevadinha, trigo sarraceno, painço – descascado – , milho e seus derivados, e arroz integral], sementes cruas [girassol, abóbora, gergelim, melancia], frutos oleaginosos crus [nozes, avelãs, amêndoas, coco, pistácios], deve fazer parte de uma dieta pois essas fibras varrem a sujeira para fora do seu corpo.
Muitas pessoas que sofrem de problemas de memória têm complicações intestinais e, pelo visto, a maioria evacua pouco, nem sabe que deveria estar eliminando mais vezes por dia, esqueceu–se de que, quando era uma criança de 3 anos, logo após a refeição tinha uma necessidade normal de evacuar, isso porque a própria refeição gera um movimento peristáltico.
Bem; você que já é adulto e está lendo agora essas palavras, preste bastante atenção no que deve fazer para reeducar o seu intestino.
Além dos alimentos que já foram citados – eles devem compor 60 % da sua dieta – logo após a refeição vá ao banheiro e sente–se no “trono” durante uns 10 ~ 15 minutos, mesmo não tendo vontade; mas a partir de alguns dias, você verá que o seu intestino passa a funcionar.
Aqui você está recriando um reflexo condicionado tão comum entre os bebês [que logo evacuam após a mamada ou até mesmo fazem enquanto estão mamando], as crianças pequenas e os animais de modo geral.
Agora, se você quer continuar sendo um ‘cano de esgoto ambulante’ repleto de toxinas, azar o seu ...
NUTRIENTES
Complemento
Dosagem sugerida
Comentários
ESSENCIAIS


Acetilcolina
Conforme a bula ou rótulo
Extremamente importante para os neurotransmissores.
Maximiza a habilidade mental e evita a perda de memória em adultos.
Colina
100 mg, 3 vezes ao dia
Aumenta os níveis de acetilcolina.
Manganês
Conforme a bula, ou 12 mg, 2 vezes ao dia
Tome separado do cálcio.
Ajuda a alimentar o cérebro e os nervos.
Ajuda na utilização da colina.
SOD [superóxido de dismutase]
Conforme a bula ou rótulo
Conhecida por sua capacidade em eliminar radicais livres.
Complexo de vitaminas B
mais
100 mg ao dia
É necessário para melhorar a memória.
Pode ser preciso aplicar em injeções [neste caso, sob orientação médica].
Ácido pantotênico extra forte [vitamina B5] e Piridoxina [vitamina B4]
50 mg, 3 vezes ao dia


50 mg, 3 vezes ao dia
Ajuda a transformar o aminoácido colina no neurotransmissor acetilcolina.

É necessário para que se tenham funções cerebrais apropriadas.
Niacina [vitamina B3 e niacinamida
Conforme a bula ou rótulo
Promove uma circulação cerebral apropriada e ajuda no funcionamento do cérebro.
CUIDADO: não tome niacina se tiver algum problema no fígado, gota, ou sofrer de pressão alta.
Vitamina C
3.000 ~10.000 mg ao dia, em doses de 2.000
Um poderoso antioxidante que também melhora a circulação.
Vitamina E
400 ~ 1.200 UI ao dia
Comece com as 400 UI e vá aumentando gradualmente até 1.200; causa a dilatação dos vasos sangüíneos, melhorando o fluxo sangüíneo ao cérebro.


Complemento
Dosagem sugerida
Comentários


Zinco [gluconato] ou OptiZing
50 ~ 80 mg ao dia; não exceda os 100 mg
É importante para captar substâncias tóxicas e remove–lãs do cérebro; losangos de gluconato ou OptiZing são melhor absorvidos.
Ácido tiótico
2 de 100 mg, 3 x ao dia
Importante para remover alumínio do cérebro.

IMPORTANTES


Lecitina de soja – drágeas ou cápsulas
1, 3 vezes por dia, antes das refeições, ou 1.200 mg, 3 x ao dia
Melhora a função cerebral.
Lecitina tem muita colina e inositol, que são importantes vitaminas do complexo B.
L–glutamina e L–fenilalanina mais
L–ácido aspártico
Conforme a bula ou rótulo, com estômago vazio.
Tome com água ou suco.
Não tome com leite.
Os aminoácidos são necessários para o funcionamento normal do cérebro.
Eles servem como combustível cerebral, e evitam que o excesso de amônia danifique o cérebro.
Para melhorar a absorção, tome junto com 50 mg de vitamina B6 e 100 mg de vitamina C.
CUIDADO: mulheres grávidas ou amamentando não devem tomar fenilalanina; pessoas com ataques de pânico, diabete, pressão alta ou PKU também não.
L–tirosina
Até 100 mg por quilo de peso, doses diárias.
Tome com o estomago vazio, junto com 1.000 mg de vitamina C e 50 mg de B6.
Ajuda a melhorar a memória fraca, e a atenção.
Melhora o humor e a motivação.
Ajuda a evitar a depressão.
CUIDADO: não tome L–tirosina se estiver tomando remédios inibidores de MAO.
ÚTEIS


Coenzima Q10
100 mg ao dia
Melhora a oxigenação cerebral.
DMG
[dimetil–glicina] –
Conforme o indicado na bula ou rótulo
– – – – – – – – – – – – >
Aumenta a oxigenação do cérebro.

DMG Angamik da FoodScience Labs.
Melatonina
2 ~ 3 mg ao dia, 2 horas ou menos antes de dormir
É um poderoso antioxidante que pode evitar a perda de memória.
RNA e DNA
Conforme o indicado na bula ou rótulo
Aumenta a produção de energia para a transferência de memória no cérebro.
CUIDADO: não tome este complemento se sofrer de gota.
ERVAS
Ultimamente, o ginkgo biloba tem atraído a atenção de pesquisadores por causa da sua capacidade em aumentar o fluxo de sangue no cérebro.
Pode–se encontrar ginkgo biloba em cápsulas ou na forma de extrato, na maioria das lojas de produtos naturais.
Os produtos variam, dependendo da marca.
Para melhorar a memória, tome as cápsulas conforme o indicado na bula ou rotulo, ou tome 6 gotas do extrato em ½ copo de água morna para evaporar o álcool; se conseguir um extrato sem álcool, pingue 6 gotas na língua, deixe na boca por alguns minutos e então engula; faça isso 2 vezes ao dia.
Outras ervas que ajudam a memória incluem a açucena azul, o alecrim , o anis, o ginseng.
CUIDADO: não use ginseng se sofrer de pressão alta.


RECOMENDAÇÕES
Mantenha uma dieta rica em alimentos crus.
Consuma com frequência os seguintes alimentos:
– cereais integrais como arroz, arroz selvagem, centeio, cevadinha, gérmen de trigo, painço, trigo sarraceno;
– frutos oleaginosos como amêndoas, avelãs, macadâmias, nozes;
– legumes como alface, couve, folhas de brócolos, de couve–flor, salsão, salsinha, repolho;
– levedo de cerveja;
– ovos “caipira”, peixe [CUIDADO COM PRODUTOS ANIMAIS – eles geralmente contêm toxinas e enzimas perniciosos];
– mamê [a soja verde em grão];
– tofú [a “ricota” de soja] – [outros produtos de soja contém aflatoxinas e devem ser evitados].
Combine carboidratos complexos com alimentos que tenham 10 % de proteínas e 10 % de óleos essenciais.
Refeições totalmente de carboidratos têm efeito nocivo na memória.
Evite matinais como leite e seus derivados, manteiga, margarina, e produtos derivados do trigo [com exceção do gérmen de trigo] como pães, bolos, tortas, biscoitos, bolachas o próprio trigo que não seja o sarraceno, por um mês.
Não havendo melhora na memória, vá adicionando aos poucos esses alimentos.
Evite açúcar branco e alimentos feitos com ele – eles “desligam” a memória.
Pratique reter a respiração por ½ minuto a cada hora por um mês.
Isto aumenta o alerta mental.
Leve em conta a hipótese de fazer uma análise capilar com um médico ortomolecular, para detectar intoxicação por metais pesados como alumínio ou chumbo.
Qualquer um dos dois pode levar a um fraco funcionamento mental.
Caso já esteja tomando suplementos multi vitamínicos, você pode tentar o “Cognitex”, da Prolongevity, ou o “Fuel for Thought”, da Nature’s Plus.
Pólen desidratado também pode ajudar.
CUIDADO: o pólen de abelhas pode causar uma reação alérgica em algumas pessoas.
Comece com pequenas doses, e pare caso ocorram coceiras, erupções, espirros, mal estar ou outros sintomas.
Exercite–se enfocar as coisas de que deseja se lembrar.
Muitas vezes culpamos nossa incapacidade em nos lembrarmos de algo à nossa falta de memória, quando o problema na verdade está em que não prestamos realmente atenção à coisa, para começar.
Memória pode ser treinada; experimente fazer palavras cruzadas, ou decorar letras de músicas para o kara–o–kê.
Você pode ter agradáveis surpresas ...



Memória – uma questão de limpeza e treino ... quem diria ! Nick.






c:\dados\saúde\higienismo\doenças\memória e Alzheimer.

A CONEXÃO ALZHEIMER / ALUMÍNIO.
do livro The Cure for All Deseases, da Dra. Hulda C. Clark, doenças sem dor
Autópsias realizadas em pessoas que morreram com a doença de Alzheimer revelaram acúmulos de alumínio em até 4 vezes mais que o normal nos neurônios – em todas elas (100 %) !
Especialmente altas concentrações foram encontradas na área do hipocampo, que tem um papel central na memória.
No começo de 1989, o jornal médico britânico de Lancet relatou conclusões de um estudo governamental britânico: o risco de contrair a doença de Alzheimer era 50 % maior nas áreas da Grã Bretanha onde a água “potável” continha níveis elevados de alumínio.
Infelizmente, a SABESP utiliza 5 toneladas de sulfato de alumínio por ano para o tratamento de água.
O efeito devastador do alumínio aumenta mais ainda quando temos uma deficiência crônica de cálcio.
Essa deficiência pode alterar a forma de como o corpo utiliza os minerais e resulta em grandes acúmulos de alumínio.
Não vamos esquecer que o alumínio desloca o cálcio e também se instala nos ossos.
Apesar de certas pessoas ainda não acreditarem [quando é que “vai cair a ficha” deles ?] que o acúmulo de alumínio nos neurônios é a causa e até mesmo o próprio resultado da disfunção neuronal, a melhor coisa, que nós da área da nutrição clínica acreditamos que você deve fazer já, é evitar o alumínio o máximo possível.
UTENSÍLIOS DE ALUMÍNIO
Os utensílios de alumínio contribuem significativamente para aumentar a quantidade de alumio em sua dieta.
De acordo com estudos realizados pelo Centro Médico da Universidade de Cincinnati, quando são utilizadas panelas de alumínio para se cozinhar tomates, ocorre um aumento do nível deste metal de 2 para 4 mg por porção nos próprios tomates.
Realmente, alimentos ácidos cozidos no alumínio, corroem mais a panela que os outros, o que não significa que os alimentos não ácidos podem continuar sendo preparados em panelas de alumínio.
ANTIÁCIDOS
Várias dúzias de antiácidos contêm o hidróxido de alumínio, que é um sal de alumínio.
Leia bem o rótulo antes de usar um antiácido.
Melhor ainda, promova em sua alimentação boas mudanças e liberte–se do antiácido.
Agora, se você curte uma fermentação e uma acidez, azar o seu ...
REMÉDIOS PARA DIARRÉIA
Mais de uma dúzia de drogas para diarréia, que podem ser adquiridas na farmácia sem qualquer tipo de receita, contêm sais de alumínio.
Tome muito cuidado; o correto, mais uma vez, é gerenciar os seus hábitos alimentares de uma forma mais racional e inteligente, para que assim você não precise nem chegar ao ponto de ter a diarréia.
Lembre–se, prevenção não é palavrão, é ação antes da destruição.
ASPIRINA TAMPONADA
Não ... não se trata aqui de um novo tipo de absorvente feminino; trata–se aqui de um tipo de aspirina que contém uma concentração que varia de 14,4 mg a 88 mg por dose.
A aspirina tamponada é uma fonte muito alta de alumínio.
Um dos 2 componentes, o hidróxido de alumínio, ou o glicinato de alumínio, é encontrado em fórmulas para dores de artrite.
A aspirina comum não tem alumínio porém o acido salicílico ataca e corrói o estomago, enquanto que o hidróxido de alumínio é nada mais, nada menos, que um inibidor enzimático e é por isso que ele é usado


para reprimir a produção de ácido clorídrico, os mecanismos enzimáticos da diarréia, a sudorese das axilas e os mecanismos da dor.
RECIPIENTES
Evite comprar qualquer suco de fruta envasado em caixas aluminizadas.
Os sucos de laranja, abacaxi, maracujá, caju, os iogurtes, são muito vendidos nesses recipientes.
As latinhas de refrigerantes e de cerveja também passam esse metal para esses líquidos.
Elimine–os de sua rotina.
Aproveito aqui este parágrafo para recordar a todos quanto à nocividade do papel de alumínio que envolve chocolates, bombons, certos tipos de biscoitos, presente também nas ‘quentinhas’, etc.
Agora, ainda não é contra a lei que alguém de Alzheimer; aqui se trata de um “salve–se quem quiser”.
DESODORANTES
Muitos desodorantes, anti perspirantes, talcos contêm o cloridrato de alumínio.
O alumínio apresentado nesta forma é absorvido imediatamente para o cérebro pelas fossas nasais.
Em outras palavras, respirou ... dançou.
DUCHAS FEMININAS
Nos Estados Unidos, são vendidos nas drogarias produtos específicos para se fazer lavagens íntimas femininas.
Um desses produtos, propagados nacionalmente, é conhecido como “Massengil Powder”.
Percebeu–se que o corpo absorve alumínio dessas soluções.
Ao invés disso, recomendo o uso de água e um pouco de vinagre para substituir os produtos de prateleira.
ADITIVOS ALIMENTARES
Os fabricantes acrescentam alumínio em muitos produtos alimentícios, já que sendo ele um inibidor enzimático, ele impede que o alimento estrague [às custas do seu cérebro e seus ossos].
Massas prontas para bolos, rosquinhas congeladas, fermento de bolos e pães, queijos fatiados e não fatiados, contêm de 5 a 50 mg de fosfato sódico de alumínio por porção.
O fermento em pó contém de 5 a 70 mg de sulfato sódico de alumínio por colher de chá.
Quantidades variáveis de outros compostos do alumínio são encontradas em diversos outros tipos de alimentos.
Os sais para picles podem conter 1 ou 2 dos seguintes compostos: sulfato amoniacal de alumínio ou sulfato de potássio de alumínio.
Se você come os assim chamados ‘fast food’, você deveria estar ciente que os queijos processados usados nos ’cheese–burgers’ [hamburgers com fatias de queijo] contêm alumínio que é acrescentado para dar ao produto uma característica especial de derreter–se ao calor.
SHAMPOOS
Os shampoos utilizados para combater a caspa contêm silicato alumínico de magnésio.
O alumínio lauril–sulfato é um ingrediente comum em muitos shampoos anunciados nacionalmente.
SOLVENTES
Xileno, tolueno, álcool isopropílico também são veículos de alumínio e, além de afetarem o cérebro, acabam depositando-se no timo e diminuindo / anulando sua capacidade de produzir linfócitos T; isto, por seu turno, abate a imunidade do organismo, fazendo com que a pessoa fique sujeita a doenças oportunistas como pneumonia, gripes, infecções de toda ordem.

Enfim ... fuja do alumínio e dos solventes Nick.






Nenhum comentário:

Postar um comentário